sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Patricia Piccinini

No trabalho da artista australiana, Patricia Piccinini (1965), seres híbridos em esculturas hiperrealistas questionam a vida como a conhecemos e as manipulações da engenharia genética.

Biografia
Catálogo heterose
por Drome (2002)
b. 1965, Freetown, Serra Leoa
vidas Melbourne, Austrália
Patricia Piccinini chegou à Austrália em 1972 com sua família. Ela estudou inicialmente a história econômica antes de se matricular na escola de arte em Melbourne. Desde 1991, seu trabalho tem sido exibido em todo o mundo, incluindo a Bienal de Berlim em 2001 e Songs of the Earth, em Kassell, em 2000.

Piccinini trabalha com uma variedade de meios, incluindo pintura, escultura, vídeo, som, instalação e impressões digitais. Ela gosta de explorar o que chama de "As distinções muitas vezes ilusórias entre o artificial e o natural". Os conceitos que sustentam a ciência moderna, como a engenharia genética e outras formas de biotecnologia, parecem fasciná-la.

O Projeto Genoma Mutant (TMGP) (1994), software de computador usado para desenvolver FIXO (não evoluídos Lifeform com Propriedades Mutantes), "criatura" um híbrido virtual. A artista disse que "LUMP é carne, parte humana, biotecnologia, cultura popular e marketing; unlovable para alguns, mas a 'menina dos olhos de sua mãe'. Nódulo é um "bebê" nasceu de um acoplamento perverso da publicidade televisiva e princípios básicos de engenharia. Esta criança, brilhante plástico, é gerada por computador, por meio de trabalho fotográfico, Psychotourism (1996), no qual é protegido e protegida pelo seu humano, embora digital aumentada, sua 'mãe'. Outras criaturas virtuais aparecem em Estudos Sociais (2000) e Plasticology, a instalação multi-tela apresentada em 1999 Melbourne International Biennial (1999) e 1997 Sydney Perspecta. Vagamente embrionárias, Piccinini, artista de formas inventada, apresenta criaturas simultaneamente atrativas e repulsivas.

Um acoplamento ambivalente e, talvez, estranho pode ser visto de novo no carro Nuggets: Eles são bons para você (1998) e Babies Truck (1999). Estes últimos são bonitos, comprimido e máquinas rodoviárias simplificados em brilhante rosa pastel e fibra de vidro azul bebê. A partir de uma desova semelhante, vem de carro Nuggets. Para Piccinini essas formas são algo de um retorno nostálgico. Eles não se referem apenas aos caprichos de processos de produção industrial em massa, mas também para os áureos tempos da adolescência, onde o carro e as peças do carro simbolizaram um léxico potente dos desejos. Nas versões GL 2001, ela decorou esses fragmentos estranhos com uma chama e detalhes do crânio.

Piccinini goza das ficções e mutabilidade das idéias de perfeição. Os contrastes e as relações que existem entre os mundos naturais, orgânicos e construído, sugerindo-lhe o potencial do casamento de fisiologia humana e do desenvolvimento tecnológico. 
  A biologia como produtora de modelos e metáforas.

Biography
Heterosis Catalogue
by Drome (2002)
b. 1965, Freetown, Sierra Leone
lives Melbourne, Australia
Patricia Piccinini arrived in Australia in 1972 with her family. She initially studied economic history before enrolling at art school in Melbourne. Since 1991 her work has been exhibited around the world, including the Berlin Biennale 2001 and in Songs of the Earth in Kassell, in 2000.

Piccinini works in a variety of media, including painting, sculpture, video, sound, installation and digital prints. She enjoys exploring what she calls ‘the often specious distinctions between the artificial and the natural’. The concepts that underpin modern science, such as genetic engineering and other forms of biotechnology, appear to fascinate her.

The Mutant Genome Project (TMGP) (1994), used computer software to develop LUMP (Lifeform with Unevolved Mutant Properties), a virtual hybrid ‘creature’. The artist has said that ‘LUMP is part human flesh, biotechnology, popular culture and marketing; unlovable to some, but the apple of its mother’s eye’. LUMP is a ‘baby’ born from a perverse coupling of television advertising and basic engineering principles. This shiny, plastic infant again features in the computer generated photographic work, Psychotourism (1996), in which it is sheltered and protected by its human, although digitally enhanced, ‘mother’. Other virtual creatures appear in Social Studies (2000) and Plasticology, the multi-screen installation featured in the 1999 Melbourne International Biennial (1999) and Sydney’s 1997 Perspecta. Piccinini’s vaguely embryonic invented forms are simultaneously attractive and repellent.

An ambivalent and perhaps weird coupling can be seen again in Car Nuggets: They’re good for you (1998) and Truck Babies (1999). The latter are cute, compressed and streamlined road machines in shiny pastel pink and baby blue fibreglass. From a similar spawning comes Car Nuggets. For Piccinini these forms are something of a nostalgic return. They refer not only to the vagaries of industrial mass production processes but also to the heady days of adolescence where the car and car parts symbolised a potent lexicon of desires. In the 2001 GL versions she has decorated these strange fragments with flame and skull details.

Piccinini enjoys the fictions and mutability of the ideas of perfection. The contrasts and relationships that exist between the natural, organic and constructed worlds suggest to her the potential of the marriage of human physiology and technological development. 

Fonte da primeira imagem e do texto: http://www.patriciapiccinini.net/
Fonte da segunda imagem:http://veronicafukuda.blogspot.com/2011/06/patricia-piccinini.html
Vejam, no link abaixo, fotos de suas esculturas, no mínimo, desconsertantes!!!

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Perguntaram a John Lennon

"Perguntaram a John Lennon:
- Por que você não pode ficar sozinho, sem a Yoko?
E ele respondeu:
- Eu posso, mas não quero. Não existe razão no mundo porque eu devesse ficar sem ela. Não existe nada mais importante do que o nosso relacionamento, nada. E nós curtimos estar juntos o tempo todo. Nós dois poderíamos sobreviver separados, mas pra quê? Eu não vou sacrificar o amor, o verdadeiro amor, por nenhuma piranha, nenhum amigo e nenhum negócio, porque no fim você acaba ficando sozinho à noite. Nenhum de nós quer isto, e não adianta encher a cama de transa, isso não funciona. Eu não quero ser um libertino. É como eu digo na música, eu já passei por tudo isso, e nada funciona melhor do que ter alguém que você ame te abraçando."

Site dessa imagem: lastfm.com.br

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

DIÁRIO DE BORDO: O CORAÇÃO É UM CANTEIRO DE FLORES...

DIÁRIO DE BORDO: O CORAÇÃO É UM CANTEIRO
 DE FLORES...
Jorge Bichuetti do blog Utopia Ativa
Madrugada... de verão. Calor e vida. O orvalho no meu quintal impregnou o ar com cheiros de rosas e folhas, um mato no chão que acalenta... relva salpicada de gotas que refletem o céu... Há estrelas no caminho...
Luinha foi descansar... Anda encantadas com os passarinhos que cantam e voam... se agasalham nos álamos e vivem alegres... Antes tinha ciúmes; agora,não...
Não sei como a Luinha consegue entender tudo que se passa... seus olhinhos cuidam de mim... me acompanham... Agora, é 04:48... Ela veio me acompanhou no quintal... me viu sentir alegria, com os passarinhos se despertando com a minha presença... Caminhar é voar quando, no caminho, nos conectamos com as flores e com as árvores, com o vento e o orvalho, com o luar... Voar para encontrar no caminho a a aurora... Converso longamente com Luinha e lhe tranquilizo, dizendo que logo nossa rotina se dará no alvorecer da vida com sonhos e poesias, lutas voos na imensidão azul... Estes dias de repouso e medicamentos, a deixou cheia de cuidados... Me vigia... Se brincamos, ela alegre corre e piedosa, logo, deita-se... respeitando minhas horas de repouso... Ali, nos meus pés... ou aconchegada ao meu coração...
O amor na sua expressão de ternura e compaixão, partilha e solidariedade... é a magia da vida que germina novas floradas, afugentando do caminho os espinheirais das dores e das inquietações... Por isso, cura...
Ouvindo longe as badaladas dos sinos... penso na vida e na minha alegria de viver...
Viver é tecer no caminho um rede de amores e amizades onde conectados os corações se transformam num canteiro de flores... Floradas da ternura; vidas partilhadas nos voos do amor...
O mundo permanece cinzento e hostil... Guerras, corrupção... Exclusão social, desamor... O individualismo neoliberal agravou as perversidades da subjetividade capitística... Banalizou os encontros; forjou vínculos líquidos... Incrementou o consumismo... e gerou uma vida de depressão, pãnico e toxicodependência... muita solidão...
No retorno às atividades docentes da Psicologia da Uniube, vi que há outros mundos... Amigos na alegria do sorriso que abraça... Amigos no idealismo do caminho que desbrava na escuridão novos horizontes azuis...
Como é valioso e revolucionário a força do amor que tecida nos vínculos da amizade institui a ética da solidariedade e da compaixão...
Miro Luinha: ela sonha... Lhe ensino a fugir dos pesadelos da apatia, da acomodação e do imobilismo que nos é sugerido, diuturnamente, por modo de existir que nos aparta do outro...
O outro é um alheio... na narcisismo parasitário do capitalismo globalizado que nos aliena da vida de encontros... Substui o encontro pela informação; cristaliza ilusões e nos sedimenta de pés alijados da caminhada de de pedras e flores, espinhos e sonhos... caminhada da humanidade na esperança ativa de produzir na luta um novo alvorecer...
O mundo molar é rígido, não tem molas... não tem bailado da flexibilidade que é compreensão e tolerância, auxílio mútuo e metamorfoses singularizantes...
O sol nascerá... Mesmo com minhas dores (que passarão) hei de buscar a molecularidade terna e singela dos sambas do morro... Cantarei, dançarei...
Todos temos nossas dificuldades e limitações e crescemos, nos alisamos para os devires inovadores na luta... Mas, como já dizia Nietzsche, não se vence o "diabo" com palavras... o vencemos com riso, dança e música... a arte martelando aberturas no horizonte, parindo o porvir... a coragem de ser alegre por teimosia semeando no céu nublado um arco-íris e uma revoada de passarinhos...
 
Abaixo uma entrevista concedida pelo meu querido amigo, Jorge Bichuetti, ao Programa DNA, da BAND TV. "Entrevista com o psicanalista Jorge Bichuetti, exibida em 19 de agosto de 2010, na Band Triângulo. O DNA é um programa de entrevistas conduzido pelo jornalista André Azevedo da Fonseca. O objetivo é despertar um diálogo sobre as reflexões mais íntimas, as impressões pessoais e as diversas dimensões da sensibilidade dos entrevistados".




#DNA 41 - Entrevista com o psicanalista Jorge Bichuetti from Andre Azevedo da Fonseca on Vimeo.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Casal apaixonado por gatos faz da própria casa playground felino

Clique no link abaixo para ler a reportagem:

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Amauri Ferreira: Respiro - videoaforismos (completo)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pages

 
↑Top