domingo, 28 de março de 2010

Rosina Wachtmeister

Visite os sites dessa maravilhosa artista
e conheça o seu trabalho.

Bijuterias antigas, mas bonitas!

Artesanato indígena

Não foram feitos por mim, mas são lindos!

Fiz para mim...

Tânia Marques 28/03/2010

sábado, 27 de março de 2010

Momentos de Inspiração I

Muitos de meus leitores ainda não eram nascidos, e eu já andava “catando milho” numa velha máquina de escrever, para registrar roupantes de pura inspiração poética. Este poema foi escrito no dia 04/07/1983 e dedicado a uma pessoa muito especial.


Na mais pura emoção,
Os desejos de liberdade
Percorrem o nosso corpo e
Numa vontade louca de se expressarem
Evaporam no ar
Algo mais abstrato toma forma
Aos poucos,
Enxergamos um mundo novo
E um pedaço desse mundo
Destoa de sua totalidade
Vejo nele um poeta de um presente distante
Construindo sua própria história
Não sei mais o que é realidade
Não sei mais o que é sonho
Tudo é realidade
Tudo é sonho simultaneamente
E você, poeta? O que é?
No anonimato, você é vida
Atrás dos rostos perdidos, você é uma beleza esplêndida
No silêncio maior dos meus sentimentos,
Você é a liberdade das fantasias e das verdades do amor
Eu posso sentir o seu perfume
Eu experimento o seu calor
Eu sou sensível à sua inspiração.

Tânia Marques 04 de julho de 1983.

Fonte da imagem:
www.mypage.com.br/myflog/visualiza_modPH.asp?...

quinta-feira, 25 de março de 2010

Razão de ser

Escrevo. E pronto.
Escrevo porque preciso,
preciso porque estou tonto.
Ninguém tem nada com isso.
Escrevo porque amanhece,
E as estrelas lá no céu
Lembram letras no papel,
Quando o poema me anoitece.
A aranha tece teias.
O peixe beija e morde o que vê.
Eu escrevo apenas.
Tem que ter por quê?

Paulo Leminski

Fonte da imagem:
palavraguda.wordpress.com/2007/09/10/aparicao/

quarta-feira, 24 de março de 2010

Dicas para conservação de suas bijuterias. Por Maria Bicuda.

Tomando alguns cuidados simples na conservação e limpeza, você terá uma bijuteria com aspecto de nova por muito tempo.
Seguem abaixo algumas dicas:
  • Na hora do banho ou afazeres domésticos, tire sua bijuteria.
  • Evite aplicar esforços exagerados sobre as peças, bem como fazer serviços pesados onde a peça fique (como por exemplo, no pulso).
  • Evite usar bijuterias na praia ou na piscina, pois a água contém sais (iodo, sal, cloro) além de areia, que podem riscar e desbotar suas peças.
  • Não deixe que a peça entre em contato com bronzeadores, loções, areia, ou outros produtos que podem danificar a sua bijuteria.
  • Retire a bijuteria antes do banho de chuveiro, mar ou piscina.
  • Evite contato com produtos químicos, estes oxidam as peças provocando seu escurecimento.
  • Retire a bijuteria antes de usar perfumes ou cosméticos e aguarde secar antes de recolocá-las.
  • Tome muito cuidado com produtos para cabelo, (tinturas, produtos para alisamento), pois estes contêm produtos químicos muito fortes e que ficam impregnados por vários dias, podendo manchar as peças, especialmente brincos e colares que ficam em contato com os cabelos.
  • Pérolas são sensíveis ao calor, cosméticos, perfumes e produtos químicos. Mantenha-as separadas de outras jóias para evitar riscá-las. Limpe-as regularmente com uma flanela.
  • Para a limpeza e conservação, o mais indicado é usar uma flanela limpa, além dos produtos recomendados para isso. Você também pode usar um retalho limpo de algodão. Limpe delicadamente as peças e se possível de modo individual. Cristais que fazem parte de um brinco, por exemplo, ganham novo brilho limpando desta maneira. Faça isso com as pedras, metais e outros materiais.
  • Evite acondicionar as peças como colares, brincos, pulseiras, todas juntas. Elas podem se embaraçar. Isso dificulta a separação das peças e pode causar rompimento, além de riscar possíveis pedras, cristais ou até mesmo os acrílicos e sintéticos.
  • A melhor forma de guardar sua bijuteria é manter as peças separadas. O contato pode ocasionar riscos ou mesmo quebrar materiais mais sensíveis. Você poderá usar saquinhos de tecido flanelados ou saquinhos plásticos (Polipropileno). 
DICAS

Limpeza: Lave apenas com sabão neutro e água em abundância, seque com um papel absorvente e, por fim, faça um polimento com flanela, camurça ou qualquer outro tecido macio. Nunca deixe de molho.
Acondicionamento: Use sempre um porta-joias de interior forrado com veludo ou outro material macio. Se não tiver porta-joias, pode usar uma bolsa. Guarde cada peça no seu espaço para evitar o atrito entre estas.

Coloque um pedaço de giz branco no estojo ou porta-joias. O giz absorve a umidade e evita que as peças escureçam ou fiquem envelhecidas e sem brilho.
"Sabemos que as bijuterias não são joias, nem por isso elas deixam de requerer cuidados. Cuide se suas bijuterias como se fossem joias.”
Confira outras dicas e modelos de bijuterias no www.mariabicuda.com.br
Perfil do Autor
Noticias sobre as últimas novidades no mundo das Bijuterias
(Artigonal SC #1788760)

terça-feira, 23 de março de 2010

A história dos chapéus femininos

Na Idade Média (476-1453), as imposições religiosas obrigavam as mulheres a cobrir completamente os cabelos. O abrigo mais simples era constituído por uma peça de linho, caída sobre os ombros ou abaixo deles. Os véus de noiva e as mantilhas das espanholas são sobrevivência da moda desse tempo. No século XIII, costumava-se prender a este véu, duas faixas: uma sobre o queixo e outra sobre a testa, de modo semelhante ao hábito que as freiras ainda conservam.

No final da Idade Média, era hábito das mulheres colocar uma armação de arame com formatos de coração, borboleta, etc sob a peça de tecido tornando-os extravagantes. Os cabelos eram penteados para trás, escondidos, e, se cresciam na testa, eram raspados para que o chapéu fosse a atração principal. Em 1500 começa-se a usar os capuzes enfeitados com jóias e bordados.

Muitos outros tipos surgiram até o final do século XVIII, quando apareceram as primeiras Chapelarias (lojas onde se comercializam chapéus), que utilizavam em seus chapéus materiais como a palha, o feltro, tecidos, enfeites variados e elaborados de forma a combinar com os penteados altamente sofisticados da época.

Após a Revolução Francesa (1800), surgiram os gorros com abas largas, dotados de uma fita ou faixa que dava um nó abaixo do queixo. Confeccionados com materiais diversos (peles, cetim, veludo, feltro para o inverno e palha e tecidos finos para o verão) eram enfeitados com plumas e outros tipos de adornos.

Em 1860, esses gorros foram substituídos por chapéus de tecido e/ou outros materiais que eram presos à cabeça com alfinetes ou grampos, vindo esse tipo a se tornar muito popular na época.

No início do século XX, os volumosos penteados da época originaram chapéus de grandes dimensões, que cobriam os penteados.

MODELOS MODERNOS

Nas primeiras décadas do século XX, os chapéus masculinos em suas formas e estilos, alteraram-se pouco em oposição aos chapéus femininos, que conheceram diversos tipos, com freqüentes variações, até mesmo segundo as estações do ano.

Depois da década de 30 e até hoje, os chapéus passaram a ser encarados como um acessório de vestimenta e proteção.

Nos países tropicais, o uso dos chapéus tem função protetora contra o sol e contra as intempéries. Nos países e climas frios, o chapéu tem uso mais freqüente sobretudo como proteção do vento e temperaturas baixas.

O chapéu é também um acessório importante de vestimenta para caracterizar personalidade de uma determinada pessoa através de suas diferentes formas, materiais e cores.

Fonte da imagem:

domingo, 21 de março de 2010

Michel Foucault: biografia

15/10/1926, Poitiers, França
25/06/1984, Paris, França


Nascido em uma família tradicional de médicos, Michel Foucault frustrou as expectativas de seu pai, cirurgião e professor de anatomia em Poitiers, ao interessar-se por história e filosofia. Apoiado pela mãe, Anna Malapert, mudou-se para Paris em 1945 e antes de conseguir ingressar na École Normale da rue d´Ulm, foi aluno do filósofo Jean Hyppolite, que lhe apresentou à obra de Hegel.

Em 1946 conseguiu entrar na École Normale. Seu temperamento fechado o fez uma pessoa solitária, agressiva e irônica. Em 1948, após uma tentativa de suicídio, iniciou um tratamento psiquiátrico. Em contato com a psicologia, a psiquiatria e a psicanálise, Foucault leu Platão, Hegel, Marx, Nietzsche, Husserl, Heidegger, Freud, Bachelard, Lacan e outros, aprofundando-se em Kant, embora criticasse a noção do sujeito enquanto mediador e referência de todas as coisas, já que, para ele, o homem é produto das práticas discursivas.

Dois anos depois, Foucault se licenciou em Filosofia na Sorbone e, no ano seguinte, formou-se em Psicologia. Em 1950 entrou para o Partido Comunista Francês, mas afastou-se devido a divergências doutrinárias.

No ano de 1952 cursou o Instituto de Psychologie e obteve diploma de Psicologia Patológica. No mesmo ano tornou-se assistente na Universidade de Lille. Foucault lecionou Psicologia e Filosofia em diversas universidades, na Alemanha, na Suécia, na Tunísia, nos Estados Unidos e em outras. Escreveu para diversos jornais e trabalhou durante muito tempo como psicólogo em hospitais psiquiátricos e prisões.

Viajou o mundo fazendo conferências. Em 1955, mudou-se para Suécia, onde conheceu Dumézil. Este contato foi importante para a evolução do pensamento de Foucault. Conviveu com intelectuais importantes como Jean-Paul Sartre, Jean Genet, Canguilhem, Gilles Deleuze, Merlau-Ponty, Henri Ey, Lacan, Binswanger, etc.

Aos 28 anos publicou "Doença Mental e Psicologia" (1954), mas foi com "História da Loucura" (1961), sua tese de doutorado na Sorbone, que ele se firmou como filósofo, embora preferisse ser chamado de "arqueólogo", dedicado à reconstituição do que mais profundo existe numa cultura - arqueólogo do silêncio imposto ao louco, da visão médica ("O Nascimento da Clínica", 1963), das ciências humanas ("As Palavras e as Coisas", 1966), do saber em geral ("A Arqueologia do Saber", 1969).

Esteve no Brasil em 1965 para conferência a convite de Gerard Lebrun, seu aluno na rue d'Ulm em 1954. Em 1971 ele assumiu a cadeira de Jean Hyppolite na disciplina História dos Sistemas de Pensamento. A aula inaugural foi "a Ordem do discurso".

A obra seguinte, "Vigiar e Punir", é um amplo estudo sobre a disciplina na sociedade moderna, para ele, "uma técnica de produção de corpos dóceis". Foucault analisou os processos disciplinares empregados nas prisões, considerando-os exemplos da imposição, às pessoas, e padrões "normais" de conduta estabelecida pelas ciências sociais. A partir desse trabalho, explicitou-se a noção de que as formas de pensamento são também relações de poder, que implicam a coerção e imposição.

Assim, é possível lutar contra a dominação representada por certos padrões de pensamento e comportamento sendo, no entanto, impossível escapar completamente a todas e quaisquer relações de poder. Em seus escritos sobre medicina, Foucault criticou a psiquiatria e a psicanálise tradicionais.

Deixou inacabado seu mais ambicioso projeto, "História da Sexualidade", que pretendia mostrar como a sociedade ocidental faz do sexo um instrumento de poder, não por meio da repressão, mas da expressão. O primeiro dos seis volumes anunciados foi publicado em 1976 sob o título "A Vontade de Saber".

Em 1984, pouco antes de morrer, publicou outros dois volumes: "O Uso dos Prazeres", que analisa a sexualidade na Grécia Antiga e "O Cuidado de Si", que trata da Roma Antiga. Foucault teve vários contatos com diversos movimentos políticos. Engajou-se nas disputas políticas nas Guerras do Irã e da Turquia. O Japão é também um local de discussão para Foucault. Várias vezes ele esteve no Brasil, onde realizou conferências e firmou amizades. Foi no Brasil que pronunciou as importantes conferências sobre "A Verdade e as Formas Jurídicas", na PUC do Rio de Janeiro.

Os Estados Unidos atraíram Foucault em função do apoio à liberdade intelectual e também por causa de São Francisco, cidade onde ele pôde vivenciar algumas experiências marcantes em sua vida pessoal no que diz respeito à sua homossexualidade. Berkeley tornou-se um polo de contato entre Foucault e os Estados Unidos.

Em 25 junho de 1984, em função de complicadores provocados pela AIDS, Foucault morreu aos 57 anos, em plena produção intelectual.

Fonte do texto:

sábado, 20 de março de 2010

Dia do Blogueiro - Parabéns a todos!!!


Ganhei da mais recente amiga blogueira, Lídia, do blog Gavetas da Lídia. Obrigada e parabéns a todos os blogueiros. Amamos a blogosfera, postamos nossas ideias e nossos coração aqui.
Levem o selo para divulgar o nosso dia!!!

De Paulo Leminski...


 Desencontrários

Mandei a palavra rimar,
ela não me obedeceu.
Falou em mar, em céu, em rosa,
em grego, em silêncio, em prosa.
Parecia fora de si,
a sílaba silenciosa.

Mandei a frase sonhar,
e ela foi num labirinto.
Fazer poesia, eu sinto, apenas isso.
Dar ordens a um exército,
para conquistar um império extinto. 


Um bom poema leva anos

um bom poema
leva anos
cinco jogando bola,
mais cinco estudando sânscrito,
seis carregando pedra,
nove namorando a vizinha,
sete levando porrada,
quatro andando sozinho,
três mudando de cidade,
dez trocando de assunto,
uma eternidade, eu e você,
caminhando junto 


Fonte da imagem: www.eurascunho.zip.net/

sexta-feira, 19 de março de 2010

A importância dos acessórios II


Seja qual for o seu estilo, a ocasião para a qual você está se vestindo ou que tipo de roupa está usando, uma coisa é certa: sempre haverá um acessório adequado. Na realidade, não apenas um, mas vários. Com criatividade e alguns cuidados é possível transformar a mais básica das roupas.

De todos os acessórios, acredito que um seja o mais facilmente reconhecido devido a sua presença cada vez maior pelas ruas: os lenços. A tendência começou com os palestinos, que ganharam os pescoços com suas variadas cores. Então, vieram outras estampas, outros tamanhos, modelos e tecidos.

Há lenços para todos os gostos e não existe forma mais fácil de dar um ar interessante àquela blusa sem graça. No mesmo grupo estão as echarpes e os cachecóis. Com suas diferentes formas de usar, essas peças abrem bastante espaço para a criatividade. E se você está pensando que são acessórios exclusivos para o frio, está enganado. Atualmente, eles existem até em tecidos leves, ideais para um típico clima carioca.

Em outros casos, no entanto, nada pode substituir a beleza de um colar. Sejam aqueles enormes ou os mais básicos e delicados. Feitos em variados materiais – tecido, pedras, sementes, ouro – os colares guardam em si os mais diversos estilos e podem tornar uma roupa muito mais interessante. 

A mesma blusa branca, por exemplo, assume um ar completamente diferente se usada com dois colares de estilos distintos. Pulseiras, brincos, anéis, a mistura de diversificadas peças também podem funcionar. Deve-se ter apenas um cuidado: roupas muito chamativas dispensam muitos acessórios. Se o decote da blusa for muito inovador ou chamar a atenção, não acrescente mais elementos. Os colares devem, de preferência, seguir a linha e o estilo da roupa para que possam complementá-la ao invés de disputar as atenções com ela.

Já as bolsas – acessório indispensável – seguem o mesmo raciocínio. Se você optar por uma maxibolsa de cor forte e detalhes extravagantes, tome cuidado para não escolher uma roupa que brigue com ela. As muito baixinhas e também as gordinhas devem ter cuidado com as bolsas muito grandes. Acessórios que pareçam “engolir” você acentuam a baixa estatura e, por consequência, realçam também o excesso de peso.

Entretanto, as bolsas são, sem a menor dúvida, uma das peças mais importantes. Investir em uma boa bolsa pode ser o suficiente para tornar seu guarda-roupa mais estiloso. E, sendo um dos grandes objetos de desejo das mulheres, e também um acessório sem o qual nenhuma de nós sai de casa, elas abrem um grande leque de possibilidades.

Sapatos, brincos, broches... A quantidade de acessórios existentes por aí, prontos para valorizar uma roupa, é enorme. Sob uma infinidade de formatos, tamanhos, detalhes, cores e materiais, eles são a melhor das aquisições para um guarda-roupa. Por um preço acessível, é possível se comprar um item que vai multiplicar as possibilidades das peças de roupa que você já tem. Basta apenas ter alguns pequenos cuidados para adequá-los ao nosso tipo físico, estilo e gosto pessoal. A beleza de um acessório está na sua versatilidade, no charme que ele dá ao comum, ao que muitas vezes já está saturado. É, definitivamente, um investimento que vale a pena.


Fonte do texto:
Publicado na Revista Utilità Recreio em Outubro/2009, edição#0. Retirado do site: http://www.utilitaonline.com.br/?acao=noticias&noticias=324

Fonte da imagem:
http://picasaweb.google.com/lh/view?q=bijuterias+e+bolsas&psc=G&filter=1#5201353875000620882

quarta-feira, 17 de março de 2010

Selo comentarista excelente


Este selo me foi ofertado por Ângela, querida leitora assídua deste blog. Gostaria que todos vocês conhecessem o blog da Ângela, pois é lindo! Muito obrigada!
carinhos-entremeios 


A maldade humana não tem limites!


"Compara-se muitas vezes a crueldade do homem à das feras, mas isso é injuriar estas últimas". Fedor Dostoievski

 

 "A maldade bebe a maior parte do veneno que produz". Séneca


"Não há outro inferno para o homem além da estupidez ou da maldade dos seus semelhantes". Marquês de Sade


"A estupidez humana é a única coisa que dá uma ideia do infinito". Ernest Renan


"O mundo é um lugar perigoso de se viver, não por causa daqueles que fazem o mal, mas sim por causa daqueles que observam e deixam o mal acontecer".
Albert Einstein


"Duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana. Mas, no que respeita ao universo, ainda não adquiri a certeza absoluta". Albert Einstein


"O mundo não está ameaçado pelas pessoas más, e sim por aquelas que permitem a maldade".  Albert Einstein

E muito mais... sem happy end!

Fonte das imagens:
soltandooverbo.wordpress.com/.../maldade-humana
planetamorumbi.wordpress.com/2009/06/cdcc.usp.br
thejimgaudet.com/please-stop-re-shouting-me
cidadextreme.wordpress.com
http://www.youthworkinternational.com/categories/20080515
amor-vida.flogbrasil.terra.com.br/foto114...

terça-feira, 16 de março de 2010

Sonhos


Há quem diga que todas as noites são de sonhos.
Mas há também quem diga nem todas, só as de verão.
Mas no fundo isso não tem muita importância.
O que interessa mesmo não são as noites em si, são os sonhos.
Sonhos que o homem sonha sempre.
Em todos os lugares, em todas as épocas do ano,
dormindo ou acordado.

"Sonhos de uma noite de verão"
(William Shakespeare)

Fonte da imagem:
deliriosdeanape.blogspot.com/2009_12_01_archi..

segunda-feira, 15 de março de 2010

Feira de artesanato

sexta-feira, 12 de março de 2010

Diga-me!


Diga-me, quando o homem, por mais revolucionário que pareça ser, será capaz de enxergar uma mulher em sua totalidade, sem fracioná-la em acessório de cama, mesa e banho?


Tânia Marques 12/03/2010

Fonte da imagem:
flickr.com/photos/fonseca/45310957

quinta-feira, 11 de março de 2010

Assédio moral no trabalho é crime?


Recomendo a leitura dos sites abaixo relacionados:

http://estrategiacriativa.blogspot.com/2009/02/assedio-moral-e-crime.html (Também é fonte da imagem acima).
http://www.editoramagister.com/doutrina_ler.php?id=384
http://www.assediomoral.net/cartilhas/Assedio%20Moral%20e%20Crime%20-%20Previna-se%20%20Denuncie%20%28SINTTEL%20-%20DF%29.pdf
http://estrategiacriativa.blogspot.com/

A importância dos acessórios

                           
Os acessórios são a chave da moda: enriquecem looks, são indicadores de estilo, multiplicadores de guarda-roupa, dizem para onde você está indo e de onde você veio, falam a mesma língua que você, são extremamente versáteis, reforçam a personalidade do seu look, são fascinação, emoção e prazer.

Os acessórios se tornaram o ponto fundamental de um look. A palavra como definição de complemento de uma roupa ficou pequena para o vasto poder que desempenha, deixando de ser simplesmente um "acessório".

Do colar de dentes de animais selvagens dependurados no pescoço por um farrapo de couro, como símbolo de poder, às sofisticadas peças com materiais high-tech, os acessórios estão envoltos por fetiche e paixão. Eles diferenciam as pessoas que os usam, confirmando seu estilo pessoal - não importa qual seja ele.

Os acessórios que usamos desempenham um papel importantíssimo na comunicação não-verbal, ou seja, a maneira pela qual nos comunicamos através do modo como nos vestimos. Eles otimizam custos ao permitir que você se mantenha atual, passando por várias estações, apenas modificando a maneira como os usa. Minha dica é: compre roupas básicas - tanto na cor, quanto no estilo -, de alta qualidade e excelente caimento e tenha vários acessórios. Você ganhará muitas combinações de looks.

A tendência da moda hoje diz que se usa praticamente - tudo - uma liberdade de expressão total. Seria tudo mais fácil se a moda atual indicasse, por exemplo, um colar de pérolas como acessório, pois você dificilmente se perderia na hora de se vestir. O leque de opções é muito amplo, fazendo com que a informação, o bom gosto, o bom senso e seu estilo pessoal prevaleçam na hora da composição do look.

Nunca se esqueça da velha regra que ainda hoje é considerada a melhor: o bom senso impera. Olhe-se no espelho antes de sair de casa. Se achar que está usando algo a mais, na dúvida, tire!

Fonte do texto: Texto extraído na íntegra do blog de Priscila Serato
Fonte das imagens:

segunda-feira, 8 de março de 2010

Dia Internacional da Mulher


Mulher é...
Luta
Garra
Emoção
Proteção
Sentimento
Ação
Rebeldia
Paixão
Sonho
Carinho
Aconchego
Vida que gera vida
Inteligência múltipla
Percepção do detalhe
Porto seguro da humanidade

Tânia Marques 08 de março de 2010.

sábado, 6 de março de 2010

PRÊMIO BLOG VIP


Prêmio concedido por TIAGO MENTA do blog VOZ DE UMA SOCIEDADE ALTERNATIVA

Agradeço ao meu querido amigo, Tiago, o reconhecimento que demonstrou ao indicar este prêmio ao meu blog. Convido todos vocês para visitarem o seu blog no seguinte endereço:


Norma para o Prêmio Blog VIP: eleger 10 (dez) blogs maravilhosos.

(Confesso que foi bastante difícil essa escolha, pois cada um dos blogs analisados por mim apresenta uma riqueza indescritível e incomparável, tanto em termos de forma quanto de conteúdo. Por isso, eu poderia ter selecionado outros e mais outros, mas para o concurso, infelizmente, só valem dez.)

quinta-feira, 4 de março de 2010

Vale a pena ver. Confira!

terça-feira, 2 de março de 2010

Tiroteio na Redenção, domingo à tarde, 28/02/2010

 
Fonte da imagem e montagem: Tânia Marques

segunda-feira, 1 de março de 2010

"No tempo da maldade acho que a gente nem tinha nascido"

Chico Buarque cantando "João e Maria", música sua em parceria com o Mestre Sivuca, 1977.


João e Maria

Agora eu era o herói
E o meu cavalo só falava inglês
A noiva do cowboy
Era você além das outras três
Eu enfrentava os batalhões
Os alemães e seus canhões
Guardava o meu bodoque
E ensaiava o rock para as matinês

Agora eu era o rei
Era o bedel e era também juiz
E pela minha lei
A gente era obrigado a ser feliz
E você era a princesa que eu fiz coroar
E era tão linda de se admirar
Que andava nua pelo meu país

Não, não fuja não
Finja que agora eu era o seu brinquedo
Eu era o seu pião
O seu bicho preferido
Vem, me dê a mão
A gente agora já não tinha medo
No tempo da maldade acho que a gente nem tinha nascido

Agora era fatal
Que o faz-de-conta terminasse assim
Pra lá deste quintal
Era uma noite que não tem mais fim
Pois você sumiu no mundo sem me avisar
E agora eu era um louco a perguntar
O que é que a vida vai fazer de mim?
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pages

 
↑Top