sexta-feira, 28 de maio de 2010

Dicas de como amarrar gravatas

 Fonte da imagem: http://quini.com.br/diversos/gravata.html

terça-feira, 25 de maio de 2010

O silêncio

antes de existir computador existia tevê
antes de existir tevê existia luz elétrica
antes de existir luz elétrica existia bicicleta
antes de existir bicicleta existia enciclopédia
antes de existir enciclopédia existia alfabeto
antes de existir alfabeto existia a voz
antes de existir a voz existia o silêncio
o silêncio
foi a primeira coisa que existiu
um silêncio que ninguém ouviu
astro pelo céu em movimento
e o som do gelo derretendo
o barulho do cabelo em crescimento
e a música do vento
e a matéria em decomposição
a barriga digerindo o pão
explosão de semente sob o chão
diamante nascendo do carvão
homem pedra planta bicho flor
luz elétrica tevê computador
batedeira, liquidificador
vamos ouvir esse silêncio meu amor
amplificado no amplificador
do estetoscópio do doutor
no lado esquerdo do peito, esse tambor

(Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes)

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Como amarrar lenços e echarpes II

Recebi estas fotos da minha amiga Leslie - Bagé/RS - por e-mail. Se alguém souber de quem é a sua autoria, por favor, avise-me para colocar os devidos créditos.


  


    


quarta-feira, 19 de maio de 2010

Decifrar-se

Traduzir-se, como incita o poema citado no post anterior, ou decifrar-se são palavras difíceis para o ser humano espelhar-se, uma vez que todos nós somos, de certa forma e em certa medida, uma incógnita. Às vezes, somos "x", outras "y", não importa, somos paradoxais, contraditórios, imprevisíveis ou não. Essa dualidade do "ser humano" vem seguindo duas lógicas de raciocínio através dos tempos: antropocentrismo x teocentrismo. Esses dois eixos atravessam a história da literatura, a história da humanidade e as nossas vidas (ainda). Temos uma parte racional e outra emocional. Acreditamos ou não em Deus, representamos o "bem" ou o "mal". Mas há coisas que estão, citando Nietzsche, "muito além do bem e do mal", muito distantes desse maniqueísmo fajuto forjado pelo homo nada sapiens. E é para elas que devemos nos deslocar a fim de sermos e fazermos os outros felizes. Basicamente, devemos pensar e agir, tendo como base as  seguintes palavras: união, todo, solidariedade, companheirismo, cooperativismo, igualdade, humanidade, fraternidade e liberdade. Dessa maneira, provavelmente, consigamos nos traduzirmos e nos decifrarmos em estado de graça, individualmente juntos. As partes não deveriam existir sem formarem um todo, e o todo só existirá se as partes se unirem com essa finalidade. Portanto, não percamos tempo, o planeta está catastroficamente ressentido com o homem, respondendo a este violentamente as agressões sofridas, pode ser que ele não dê essa chance a tempo de sermos felizes na irmandade.
Beijos a todos.
Tânia Marques  19 de maio de 2010

Fonte da imagem: http://ivoguilhon.blogspot.com/

Traduzir-se


Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

Uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.

Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira.

Uma parte de mim
almoça e janta:
outra parte
se espanta.

Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem.

Traduzir uma parte
na outra parte
— que é uma questão
de vida ou morte —
será arte?


Ferreira Gullar

De Na Vertigem do Dia (1975-1980)


Fonte do texto:
http://www.revista.agulha.nom.br/gula.html#traduzir

terça-feira, 18 de maio de 2010

Como amarrar lenços e echarpes ao pescoço

sábado, 15 de maio de 2010

De que serve a bondade

1

De que serve a bondade
Quando os bondosos são logo abatidos, ou são abatidos
Aqueles para quem foram bondosos?

De que serve a liberdade
Quando os livres têm que viver entre os não-livres?

De que serve a razão
Quando só a sem-razão arranja a comida de que cada um precisa?

2

Em vez de serdes só bondosos, esforçai-vos
Por criar uma situação que torne possível a bondade, e melhor;
A faça supérflua!

Em vez de serdes só livres, esforçai-vos
Por criar uma situação que a todos liberte
E também o amor da liberdade
Faça supérfluo!

Em vez de serdes só razoáveis, esforçai-vos
Por criar uma situação que faça da sem-razão dos indivíduos
Um mau negócio!

Bertold Brecht, in 'Lendas, Parábolas, Crónicas, Sátiras e outros Poemas'
Tradução de Paulo Quintela

Fonte do texto: http://www.citador.pt/poemas.php?op=10&refid=200810060311

quarta-feira, 12 de maio de 2010


Iniciação do prisioneiro

É preciso que Amor seja a primeira
palavra a ser gravada nesta cela.
Para servir-me agora e companheira
seja amanhã de quem precise dela

Não sei o que vai vir, mas se desprende
dessa palavra tanta claridão,
que com poder de povo me defende
e me mantém erguido o coração.

No muro sujo, Amor é uma alegria
que ninguém sabe, livre e luminosa
como as lanças de sol da rebeldia,
que é amor, é brasa e de repente é rosa.

Thiago de Mello

domingo, 9 de maio de 2010

Dia das Mães!

1989 - Nascimento do meu primeiro filho

1991 - Nascimento do meu segundo filho

Como mãe (e muitas vezes ‘pãe’) que sou, desde o ano de 1989, data do nascimento do meu primeiro filho, e novamente em 1991, ano da chegada do segundo,  obedecendo à sequência das fotos, sinto-me plenamente feliz e realizada com a maternidade, porém irritada com as datas comemorativas que são forjadas pela nossa sociedade de consumo, com o intuito de vender produtos, produtos e mais produtos como se, à força disso, eles pudessem representar os sentimentos que envolvem as pessoas. Sendo assim, a maioria das datas comemorativas em nosso calendário anual, além de passarem por meros clichês, enaltecem o lucro, o falso Cristianismo e são uma grande hipocrisia, uma vez que, no dia-a-dia, as relações entre as pessoas são, na maioria das vezes, mais centradas nas desuniões, nas brigas, na competição, no preconceito do que no amor, na fraternidade e no respeito. Não é um presente qualquer que poderá suprir lacunas existenciais, a ausência de afeto e atenção, não é um presente qualquer que poderá suprimir o ódio dos corações humanos.

Dia das Mães são todos os dias, Dia dos Pais são todos os dias, Dia das Crianças são todos os dias do ano, muitas vezes, sem comida na mesa, sem compreensão, sem tolerância, sem carinho, sem abrigo, sem proteção, sem palavras bonitas, sem conselhos coerentes, sem abraços, sem beijos e sem exemplos de vida saudável.

Dia das Mães são para todas as mães que amam e cuidam de seus filhos, sem esperar retorno pessoal ou louvores. Dias das Mães são daquelas que geraram, através de suas barrigas (as legítimas) ou não (as de criação, que são mais do que legítimas), as crianças lindas deste mundo. Dedido este post a todas as mães brasileiras, mas especialmente àquelas que ficaram órfãs de seus filhos em decorrência da violência urbana, das drogas, dos desastres, dos assassinatos, dos suicídios, dos crimes políticos ou do seu desparecimento.

Como mãe de dois rapazes lindos, ratifico neste dia o amor que sinto pelos meus filhos e que demonstro em cada minuto de sua existência, pois eles são pessoas brilhantes, maravilhosas e merecedoras de toda a felicidade possível!

De coração de filha amada, dedico este post à minha mãezinha querida, que cuida de mim até hoje, com seus 83 anos. Te amo, mãe!

Beijos da Tânia a todas as mamães! 

09 de maio de 2010
Fonte das imagens: arquivo pessoal.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Bolsas Femininas - Tamanho, Dicas, Qual Bolsa Usar?


 Tamanho, Dicas, Quais Bolsas Femininas Usar?

Na hora de escolher as bolsas femininas, muita gente esquece de um detalhe básico: o próprio tamanho. Modelos enormes praticamente soterram as baixinhas. Bolsas femininas minúsculas são desproporcionais para as altas.

O Tamanho

Calma, ninguém disse aqui que uma garota mais baixa não pode usar uma bolsa feminina grande. É claro que ela pode. Mas tem que ser um modelo de bolsa grande para ela. Não para uma menina de 1,70 m. O mesmo vale para a relação garota alta X bolsa feminina pequena. Como acertar? Olhando no espelho, até encontrar o tamanho adequado.

Outras Dicas

Bolsas femininas legais: o modelo carteiro, com alça comprida, para ser usada cruzada. A linha diagonal alonga e emagrece.

Bolsas femininas, sapatos e cintos não precisam ser sempre da mesma cor. O importante é harmonizar o estilo das peças.

Durante o dia, use bolsas femininas média ou grande e sapatos sem salto ou de saltos mais larguinhos. À noite, fique com bolsa pequena e sapatos de saltos mais finos.

Quais Usar?

Noite /Escola /Verão /Dia-a-Dia /Festa

Os programas noturnos pedem uma bolsas femininas transadas que não sejam muito grande. Atenção: nem sempre uma bolsa feminina para sair à noite é a mesma que a de festa. As bolsas femininas para noite são mais simples que as de festa. Espaço é fundamental em uma bolsa feminina ou mochila de escola. Além disso, para aguentar o peso dos livros e cadernos, ela precisa ser muito resistente. Bolsas femininas de praia ou piscina têm que poder molhar, cair na areia e ter cara de fresquinha. Além de ser grande o suficiente para caber filtro solar, toalha, pente, boné, óculos de sol e protetor labial. Se você vai ao shopping ou ao cinema, escolha uma bolsa ou mochila leve e diferente. Se a roupa for estampada, a bolsa feminina precisa ser mais neutra e vice-versa. Como a roupa de festa sempre é mais arrumada, as bolsas femininas precisam ser sofisticadas. Em geral, as bolsas femininas são de alça curta para você segurar na mão. Se tiver a alça longa, use transpassada. Leve só o essencial.

* Por Márcio Eugênio
* Publicado 25/06/2009
* Guia de Compras , Sociedade e Cultura
FONTE:
http://www.webartigos.com/articles/20279/1/Bolsas-Femininas---Tamanho-Dicas-Qual-Bolsa-Usar/pagina1.html.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Natureza preservada

domingo, 2 de maio de 2010

.eu existo.

.existem nuanças de existir, existem cores para existir... eu existo no que escrevo, eu existo no que leio, eu existo na criação, eu existo em você, e sem você também, singularmente, eu existo mesmo que não me vejam, mesmo que não gostem de mim, ou gostem, eu existo na liberdade, eu existo na dúvida, eu existo na contramão, eu existo na sua companhia, eu existo na solidão, eu existo na multidão, eu existo, mormente, na razão, eu existo sem exatidão, eu existo na poesia, eu existo no sonho, eu existo no discurso, eu existo na subjetividade, eu existo no seu olhar, eu existo na linearidade, eu existo aqui... stop! é o aqui que importa.

Tânia Marques   27 de abril de 2010
Fonte da imagem: arquivo pessoal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pages

 
↑Top