terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Metamorfose

Na medida em que se vive mais tempo
Aprende-se a desterritorializar-se
Sobrevoando
Situações antes inimagináveis
E a vida ganha outros contornos
E os seus entornos nos levam
A infinitos esconderijos
Descobre-se que as pontes
Nem sempre são de concreto
Que os corações
nem sempre são pós-modernos
Que a arte
Nem sempre é uma válvula de escape
Que a morte
Nem sempre precisa de um corpo

Eu solto o meu desejo
Na expressão de ser eu mesma
uma incógnita em metamorfose
À descoberta de sentimentos
A serem ou não ressignificados
Eu brinco com meus gestos
Eu solto os meus cabelos ao léu
Eu danço com a minha face
Eu procuro os teus olhos
com as minhas mãos
E ganho os teus lábios
Cheios de paixão!

Tânia Marques 
11 de junho de 2010
Fonte da imagem: conjectura.wordpress.com/2009/03/

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pages

 
↑Top